O professor Milton Pereira Lelis, o Chocolate, faleceu no último sábado (18), em decorrência de um Acidente Vascular Cerebral que ele sofreu no dia 30 de junho. Chocolate precisou ser submetido a uma cirurgia e estava internato desde então.

Trajetória

Milton Pereira Lelis era um militar reformado, e é celebrado no meio de bandas e fanfarras por seus trabalhos com bandas e fanfarras, principalmente em relação a Ordem Unida.

Iniciou a sua carreira com fanfarra em 1960, ganhou Batuta de Ouro, no Rio de Janeiro, como o melhor regente. Ganhou 10 Medalhas Cívicas da Juventude, outorgadas pela ALESP. Na sua carreira, teve, sob sua regência, 50 corporações musicais, conquistando, em todas, o título de campeã.

Durante os anos 1970 e 1980, Chocolate esteve ao lado do maestro Antonio Domingos Sacco, nos trabalhos da Fanfarra do Colégio Técnico Paralelo, uma das corporações mais reconhecidas e importantes para a história do meio marcial.

Nos anos 1990, trabalhou com a Banda Marcial do Colégio João XXIII, ao lado do maestro Eduardo Stella, o Frigideira. Chocolate é particularmente celebrado por causa dessa corporação, que inaugurou uma nova fase para as bandas marciais.

Repercussão

Maestros, músicos e ex-alunos manifestaram seu pesar pela morte de Lelis nas redes sociais com mensagens de agradecimento e fotos relembrando a trajetória de Chocolate.



Nós do Em frente. Marche! manifestamos nosso respeito ao trabalho de Chocolate, por todas as suas contribuições ao meio de bandas e fanfarras e por tudo que tivemos a oportunidade de aprender com ele.

Nossos mais profundos sentimentos a família e amigos, que como nós, perderam Milton Pereira Lelis. O ‘Choco’ deixa as avenidas e entra para a história.

COMPARTILHAR

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here